sexta-feira, 15 de março de 2019

Auto-defesa

Eu não sou uma pessoa naturalmente combativa, eu aprendi a ser.Aprendi que nesse mundo, ninguém fará por mim o que eu mesma tenho que fazer e culpar os outros pelas minhas responsabilidades é algo que não leva ser humano à lugar nenhum!
Sempre tive o básico, coisa que muitos não tiveram. Mas cedo eu entendi, que se quisesse ir além, eu mesma teria que acordar de manhã, enfrentar filas, trens lotados, postos de saúde. Tive muito apoio familiar, muito dinheiro emprestado, muita carona, o que faz com que eu ainda me considere privilegiada. Mas quem venceu as batalhas fui eu! Quem levantou para trabalhar e estudar para manter o próprio tratamento, pagar as próprias dívidas, adquirir mais conhecimento, é essa que vos escreve!
Tive que aprender que não importa se sou compreensiva e prefiro dialogar, tenho que sempre ter o respaldo das leis e formar uma rede de proteção, além de me informar muito bem para ter argumentos fortes os suficiente para me defender. Não interessa se ele/a é alguém que gosto ou difícil de lidar, se é meu chefe, uma empresa, tenho resolver meus conflitos.Se possível, de maneira pacífica. Se não, estar preparada para tal! Engolir sapos e injustiças não prejudica ninguém mais, ninguém menos que eu mesma e eu tenho que cuidar de mim.
Aprendi a ser militante, à reconhecer meu papel de classe e a lutar pelos meus direitos. A não ser dócil e falar até ser ouvida, ou tomar atitudes que condizem comigo mesma sem a opinião dos outros.Aprendi até mesmo que nessa vida, todos estamos sozinhos e com isso, mesmo que eu faça parte de uma ideologia que deve proteger à todos, não contar com a ajuda de ninguém.
Não me tornei raivosa, não me tornei histérica, não me tornei endurecida. Me tornei o que o homem sempre teve liberdade de ser: uma cidadã que tem ciência de sua relevância na sociedade e que com isso, pode se colocar no mundo!
Não me calo! Não me rebaixo! Vou até o fim para defender a única pessoa que pode lutar por mim: eu mesma!

terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

Um texto amargurado

A morte já foi um desejo, hoje é apenas um medo e uma incógnita. O medo é pelos que não sou, a incógnita é por mim.

Quando mais jovem, já pedi por ela, escreví cartas de despedida e planejei sua chegada por meios mais autorais. Ela porém, caprichosa, só vem quando quer, mesmo que não queiramos ou que a queiramos muito. Com muita análise, aspirina e descarrego, fui aceitando que estar aqui é uma condição nem tão boa e nem tão ruim, quiçá escolhida em um lugar distante. E já que a vida precisa ser preenchida, o melhor que faço é preenchê-la fazendo pelos outros o que ninguém em sã consciência quer fazer. Seria esse uma espécie de karma?Sendo ou não, não quero morrer logo, ainda tenho muito karma pra queimar.

Enquanto os outros vão embora, sinto um misto de saudade carnal com inveja e alívio! Dói pra caralho, mas eu sei que estão bem.

Qualquer lugar é melhor que aqui!