Páginas

segunda-feira, 29 de março de 2010



Eu me lembro daquela menina que acreditava em todos de olhos fechados, que chorava ao ver uma injustiça, que sentia o peito doer vendo o sofrimento alheio. Piedosa, acolhedora,sensível, amiga.Fiel a seus ideais,fiel a sua verdade,pois sabia bem quem era.
Eu me lembro tão bem dos seus planos!Lembro-me tão bem da sua força, sua vontade de viver,do seu sorriso que mesmo em meio a tanta tristeza,sempre surgia,e sempre radiante.
Lembro da sua autoconfiança, lembro do seu amor próprio, do seu orgulho em ser quem era.Da forma como acreditava em si,mesmo em meio a críticas,a pedras.A menina opiniosa,crítica,forte!
Lembro que ela se olhava no espelho mil vezes ao dia.Tinha seus complexos,tinha seus defeitos,mas sabia o que tinha de belo.Se arrumava,se produzia e não para agradar os outros,mas a ela mesma!
Lembro da menina que chorava escondida ao ser humilhada e que sabia que não era nada do que pensavam,que tinha sonhos,desejos,tinha um potencial incrível e que não se trocava por nenhum daqueles que tanto a colocavam pra baixo.
Lembro que em seus momentos de “depressão” mais profundos, os aproveitava como ninguém!Lia,escrevia,assistia programas de TV que gostava,refletia muito,ouvia suas músicas preferidas e odiava quando a tiravam de seus momentos de “reclusão”.Ela se admirava,se gostava,era sua melhor amiga.
Lembro –me que ela adorava ouvir elogios!Vaidosa!Fingia que não ligava,que era normal,mas sentia um orgulho imenso dentro de si quando os ouvia.
Lembro –me que não importava o que acontecesse,tinha em Deus todas as suas forças! Não chorava na frente de ninguém,mas quando estava na presença Dele,não tinha vergonha alguma de chorar como uma criança!
Lembro da menina que se sentia só,muito só...Mas que de certa forma,se sentia diferente e cultivava aquela solidão...

Com o passar do tempo,esse menina foi deixando de ser tão ela mesma.
Passou a se comparar as outras pessoas,as outras meninas...Começou a sentir que não importava o quanto ela “se sentisse especial”,ela era menos,bem menos do que imaginava...
Colocaram em sua mente que seu amor próprio era na verdade orgulho e egoísmo,que sua beleza nunca seria o suficiente,que suas qualidades não eram nada comparadas a seus defeitos.Seu corpo não era  um corpo desejável,seu rosto não era um rosto bonito,seu jeito era desengonçado.Ela era infantil,mimada, fora da realidade,sonhadora de mais.Foi vendo também que os talentos que tanto prezava eram comuns,indiferentes,adquiríveis...
Ela foi caindo,caindo,caindo...Até que se perdeu.Completamente.Se tornou uma sombra.Buscava a aprovação de todos,qualquer crítica a abalava profundamente.Começou a desenvolver em si um complexo de culpa,uma auto punição por “não ser bem o que esperavam dela”,começou a ver que seus valores,no fim,não tinham valor algum.
Então começou a sentir-se mais só,mas uma solidão que dilacerava,que maltratava.O pior:Uma solidão a seu ver “merecida”,pois ela era egoísta,insuportável,imperfeita de mais para que alguém realmente gostasse dela.
Não vou dizer que essa menina continua dessa forma.Ela até melhorou.Voltou a saber de seus talentos e acredita muito em si mesma,sobretudo profissionalmente.Se acha bonita também,e sabe que não é o pior dos seres humanos.Também notou que,afinal,não é culpada de “tudo”,como pensava antes.Mas ela nunca mais voltou a ser aquela menina do início...
Não gosta de se olhar no espelho,não gosta de se ver,se encarar.Não gosta também de tirar fotos de si mesma,isso a faz sentir-se meio “fútil”.Não se arruma de verdade.Coloca uma roupa que fica bem nela,a deixa até apresentável,mas não tem aquele gosto de arruma-se até sentir-se linda.
Recebe os elogios como se fossem nada.Não pensa que não é merecedora deles,mas o vê como “obrigada,só estou fazendo minha obrigação,qualquer pessoa poderia ter feito isso”.Não faz nada que lhe agrade de verdade.Não Lê mais tanto quanto antes,aliás,mal tem lido ultimamente.Não capricha nas coisas que faz,para ela,tudo está bom.
Essa menina hoje não tem mais aquela fé tão inabalável.Não que ela não ame mais o seu Senhor com toda a sinceridade,com todas as forças,mas simplesmente...Deixa tudo nas mãos Dele,como se tivesse aberto mão daquilo que ela também pode fazer para melhorar.
Se apóia em seus medos,em suas incertezas,em seus devaneios mórbidos,em suas angústias.Se lhe deram 10 motivos para ser feliz e 2 para talvez não ser,ela se focará nos 2 para não ser.
Ela não sabe mais o que é ser feliz...Pois simplesmente,não sabe reconhecer o que lhe faz bem ou mal.Parece que para ela,tudo se tornou a mesma coisa.Não se agrada,não se admira,nem um pouco...Não se ama,apenas se suporta.E ela tem medo,muito medo de que tudo isso sejam sinais de pouco a pouco está entrando em um buraco do qual não conseguirá mais sair.Um bruraco muito profundo,escuro e triste,onde ela não terá mais forças,não terá mais alegria,não terá mais paz...E fará jus a seu apelido de “Miss Lexotan”.
E ela quer muito,muito voltar a ser a menina do início desse texto!Sente agora,mais do que nunca,uma falta imensurável DELA MESMA!Mas não sabe mais como se encontrar...

8 comentários:

  1. É incrível, essa menina sou eu...vc me descreveu! :(

    ResponderExcluir
  2. Que triste, mas muito verdadeiro. Me identifiquei com o que 'ela' era antes, e um pouco com o que se tornou depois. Infelizmente estou nesse caminho também. Mas se tudo der certo eu consigo me desviar dele...

    :*

    ResponderExcluir
  3. Mas a menina do início do texto sempre estará dentro dela, basta que ela a enxergue :)

    ResponderExcluir
  4. "ponte que partiu", Day como eu amo seus textos...muito muito muito. Não comento sempre mas sempre passo por aqui...

    Te adoro...e deixa eu te contar...Vc é de uma sensibilidade impar sabia?

    Eu me achei em varias partes do seu texto...

    ^^

    ResponderExcluir
  5. Muitas vezes, não se acha por medo de procurar. Um grande amigo meu certa vez disse que "só devemos procurar problemas se estivermos prontos para encontrá-los". A questão é: Está você pronta para encontrar a garota do início do texto e não julgá-la fútil, infantil ou incompatível à vida (sem tanto amor, sem tanta alegria e sem tantos sorrisos) que você leva agora? Muito é evolução, seja considerada pelos outros boa ou ruim, e a opinião alheia reflete somente a inveja de pessoas inferiores. Se isso for arrogância, paciência, seja arrogante. E se ame. Da forma mais poderosa que puder, pois ninguém poderá amá-la mais que isso [na realidade do meu ateísmo; Deus não entra nessa história... Eu ainda acho que a história de "Jesus ama a todos" começou depois de ele transformar muita água em vinho...].

    Ama-te e serve-te deste amor da mais verdadeira forma que puderes. E, como diria Lispector, cuidado ao se livrar de seus defeitos, porque você não sabe qual deles sustenta o que você é.

    Beijo bem grande no meio da testa (pique irmão mais velho) e abraço bem apertado!!!

    ResponderExcluir
  6. Sim,
    as dolores da vida criam uma carapaça que rouba de nós a leveza e suavidade do início. É dificil e tortuosa a transformação para voltar a reluzir o colorido irradiante do interior original.

    Creio em ti e na capacidade de iluminar seu ambiente.

    Ôbèron

    ResponderExcluir
  7. Pessoa, você só esqueceu que não precisa lembra que é está menina, você é esta menina no começo do post, só basta ver que estou dizendo a verdade.

    Hah, posso esta viajando na maionese, mas você não dava aula de dança numa ong?

    Fique com Deus, menina Dayane.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  8. Quando falo em passado,em resgate,muitas vezes,quero me referir ao trabalho(e realmente,é um trabalho),de resgate,rememoração e mesmo reconstrução de pilares esquecidos.Não se é completo,sem ter noção daquilo que se foi,e mesmo orgulho do que se foi.Numa analogia,o que você foi,são as fundações da construção,que se fundamentam no subsolo da alma,da memória,e é sobre elas que construímos nosso bem mais precioso,que é o hoje.Mas não se pode esquecer de ferramentas úteis,sentimentos úteis,devemos trabalhar para continuar a utilizá-los.E isso vale também na vida á dois,que também é um processo de permanente curadoria e (re)construção.Adorei o texto,e essa energia,essa garota audaz ainda está aí,mesmo que sob o limo da água do oceano de nossas vidas.Demais linda,bjs

    ResponderExcluir

Sinta-se á vontade