Páginas

sábado, 19 de janeiro de 2013

As tranças não representam toda Rapunzel



Antes eu tinha uma angústia, uma busca de tentar ser alguém longe de quem sou. Tudo o que eu fazia, destruía. Meus diários foram todos queimados, meus brinquedos doados, minhas roupas desfeitas. Queria ser algo, qualquer coisa que não me trouxesse aquela aflição, aquela ferida aberta que doía todos os dias.Parecia que apagando meus registros, estava apagando da minha memória meus erros, minhas dores.Apagando quem me fez sofrer, apagando quem disse que eu não seria nada. Mas não adiantou, tudo continuou aqui, aqui...mais sombra se tornou,mais forte ficou, e enfim, eu sucumbi.
Hoje eu quero registrar tudo, cada momento!É por isso que eu tenho esse blog, para de tempos em tempos eu voltar aqui e ver que eu fiz o que pude, que eu não fui de todo errada. Guardo cadernos, guardo diários, bilhetes e cartinhas. É tudo meu, não quero que joguem fora. Cansei de perder-me de mim.
Muitas pessoas acham que pelo fato de escrever bastante, de ter algo público ou de me comunicar abertamente em salas, congressos, sou alguém bem resolvida ou extrovertida. O que não sabem é que sou aquilo só naquele momento, é que extravaso de uma vez só para depois recolher-me na mais alta masmorra. O que eles veem é só a pequena ponta do iceberg, dentro de mim tem muito, muito mais. Se me acham intensa pelo pouco que mostro externamente, não queiram me conhecer por inteira. Vocês não irão suportar, nem eu mesma suporto.
Exponho-me para respirar, sair da minha torre. Dentro de mim, há horas e horas, anos e anos, séculos, milênios de solidão. Eu fujo das festas, dos bate papos diários, dos encontros furtivos, do tempo perdido interagindo com quem não me entende. E não tente me convencer que é só questão de me deixar levar, porque eu não quero ir. Vou ficar aqui parada, sozinha, quero minha solidão.
Fico pensando:  se acham que me conhecem pelo pouco que exponho, e muitos pensam que me exponho de mais, qual será a profundidade geral das pessoas, por acharem que esse fragmento que veem é o que me representa?Todos terão o tamanho dessa pequena ponta de iceberg?

5 comentários:

  1. Não é bom tentar nos desfazer de nossas lembranças, por mais dolorosas que sejam...elas contam parte de nossa vida e graças a elas estamos aqui.. Um bjo Day, sdds!

    ResponderExcluir
  2. "Fico pensando: se acham que me conhecem pelo pouco que exponho, e muitos pensam que me exponho de mais, qual será a profundidade geral das pessoas, por acharem que esse fragmento que veem é o que me representa?Todos terão o tamanho dessa pequena ponta de iceberg?"

    Acho que todos nós acabamos nos achando mais profundos do que nossos semelhantes - afinal, conseguimos ver apenas a ponta do iceberg de cada um. Daí acharem que sua ponta é sua versão completa: fazemos o mesmo com todos ao nosso redor. ;) bom texto.

    ResponderExcluir
  3. Sabe, Dayane, estou aqui em processo de queimar diários que escrevi nos anos mais solitários da minha vida, entre 2001 e 2008 (tem também um caderno de 1999). Devo fazer isso porque me casei e tive muitos problemas com meu marido fuçando essa parte minha tão íntima... Mas, é claro, sempre me pergunto: vale mesmo a pena apagar essa parte de mim? Em todo caso, achei inspirador o que você escreveu, vale muito para essas pessoas que nos condenam, que acham que nos expomos (e se nos expomos, ora, são elas que escolhem ver, pois poderiam ignorar):
    "Fico pensando: se acham que me conhecem pelo pouco que exponho, e muitos pensam que me exponho de mais, qual será a profundidade geral das pessoas, por acharem que esse fragmento que veem é o que me representa?Todos terão o tamanho dessa pequena ponta de iceberg?" Lindo.

    ResponderExcluir
  4. Eu ja queimei um caderno onde escrevia algumas memórias, a maioria bem triste por sinal...me arrependi, pois fiz isso influenciada por um ( ex agora) namorado que vivia enchendo o saco pra em me desapegar do passado.em parte, ele tinha razão, eu era muito infeliz e amargurada, remoía demais, mas nao foi destruir os registros que resolveu, e sim modificar a mim mesma, o que so consegui fazer muitos anos depois de esse namoro ter terminado.
    Nao apague suas memórias nao!!!
    E muito comum as pessoas julgarem pelo pouco que nos conhecem ou que nos vêem escrever...
    Esses dias uma amiga da minha mae veio me falar sobre o meu ultimo relacionamento, classificando " mas esse nao tinha tal coisa..." ...Ahhh se ela soubesse...ela nao sabe metade do que aconteceu, e jamais saberá....nao quero minha vida exposta pra alguem que vai fofocar pra todo mundo uma coisa tao pessoal e tao minha... Beijos querida,

    ResponderExcluir

Sinta-se á vontade