Páginas

domingo, 24 de julho de 2011

I ♥ Sertralina!

Vincent van Gogh, On the Threshold of Eternity, 1890 (O azul e o amarelo pastel são as cores que mais nos levam ao estado de depressão e melancolia)


Dizem que não podemos nos entregar, que não devemos deixar que a depressão, que a tristeza, que um fato ruim em nossa vida nos coloque para baixo. Que a melhor coisa a se fazer é erguer a cabeça e seguir adiante. Acontece que as pessoas falam sobre o que ouvem falar, não sobre o que já viveram. Claro, não estou dizendo que o jeito é você se deixar abater e afundar, seja qual problema você tiver, mas também não penso que ignorar, engolir  e querer mostrar aos “outros” que está tudo bem é sinal de uma boa sanidade mental. Pra que se torturar, mostrando algo que não se sente, que não se é?
Usando-me como exemplo ( e o que de fato, derivou este post) : Minha família vem de uma grande propensão a problemas psíquicos: Primos com síndrome do pânico, tios com distimia, casos de suicídio, pai depressivo, eu já tive depressão e agora me descubro com TOC. Pela primeira vez em minha vida, tomei vergonha na minha cara e procurei tratamento, pois já não estava agüentando mais! Estou tomando medicamento, o que no começo, fez com que eu me sentisse uma fracassada, uma impotente por não conseguir resolver meus problemas sozinha. Mas agora eu pergunto: COMO resolver um problema que não está só na sua mente, mas no seu gene, sozinha? Como libertar-se de pensamentos angustiantes e massacrantes sozinha, quando nem você mesma sabe por que os tem? Como dizer “É fácil, é só ter força de vontade!” se livrar de uma depressão, vendo seu familiar tombado em uma cama, não querendo acordar, não querendo comer, não querendo fazer sua higiene e chorando o tempo inteiro, com medo de tudo?
As pessoas resistem muito em buscar tratamento quando a doença não é física, mas mental.Tem medo de serem taxadas de “loucas” , de tomarem os famosos “tarja preta” , medo de falar “tomo remédio controlado”, “faço terapia”. E eu pergunto: Qual o problema? Porque insistir em se fazer de forte quando o assunto atinge sua paz de espírito, sua qualidade de vida?

Eu sou totalmente a favor do uso de antidepressivos quando isso é NECESSÁRIO, que fique bem claro! Quando a tristeza deixa de ser uma tristeza para se tornar uma doença! Quando a dor deixa de ter cabimento para sugar a sua vida. Quando se passam mais de 5 anos e você ainda chora todos os dias, não come, não dorme, se deixa definhar pelo mesmo problema, ou ainda, por problema algum, quando nem você sabe o porque de tanto sofrimento.

As pessoas geralmente falam “Mas o antidepressivo é só para mascarar os sentimentos.Quando passar o efeito,ali estará sua dor de novo, você tem de aprender a enfrentar!”. Um exemplo: Eu tenho gastrite, ou melhor, vamos dizer úlcera. Quando ela ataca, a dor é insuportável! Eu sei que a dor é só uma manifestação da doença, que para ela passar, eu tenho de tratar da úlcera em si. Mas então, o certo é ficar esperando a dor passar? Não tomarei um remédio para que ela passe, melhore, mesmo sabendo que isso não é uma cura, mas sim uma ajuda?Vou ficar sentindo dor? É mais ou menos assim que encaro o uso dos antidepressivos: Ele não vai te curar, ele não é uma solução, mas ele te ajuda a suportar quando o caso é grave, quando você está doente!Nesse caso, ele irá sim, mascarar o que você sente, mas agirá naquela angústia, naquele sensação horrível que só quem já passou por uma doença dessas sabe e te deixará com a mente mais livre para aí sim, você se curar, até porque, a medicação sem a ajuda da psicoterapia não resolve coisa alguma!

Se você tem algum problema psíquico, não fique aí sofrendo sozinho, achando que ser “forte” é agüentar tudo calado. Ser forte nesse caso, é buscar ajuda, é se tratar e resolver isso de uma vez por todas na sua vida! Não ligue para o que “os outros”, estes mesmos que não estão ao seu lado nas suas crises de choro e de sentimentos autopunitivos, irão pensar. Pense em você ,na sua saúde. Isso é enfrentar, isso é ser forte! Pare de apenas existir: Comece a viver!

6 comentários:

  1. Penso que tens toda razão. Também possuo histórico familiar, e trato síndrome do pânico, distúrbio bipolar e depressão. O meu caso de amor é com a Paroxetina,rs. Abraços e ótima semana. (Excelente texto de utilidade pública, tendo em vista os inúmeros casos de doenças psíquicas ignorados pelos doentes).

    ResponderExcluir
  2. Está certísima. A tristeza tem tempo certo de duração e quando o extrapola, significa doença e como tal deve ser tratada. Já passei pela síndrome do pânico e só quando procurei ajuda profissional obtive as necessárias respostas e esclarecimentos. É um mal da modernidade, me disse, à época, o psiquiatra. Juntamos correria, stresse... vem a depressão a ser adicionada e, quando percebemos, estamos com a síndrome.
    Mas acredito que todos esses males têm cura. Não é porque você tem patologias da espécie na família que terá que passar por elas. A medicação leva à cura.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  3. Belissimo texto!

    "Pare de apenas existir: Comece a viver!"

    Esta frase final traduz fielmente toda a narrativa!...

    Beijos,
    AL

    ResponderExcluir
  4. Puxa, que consciência a sua, me admirei!
    Nao acrescento e nem tiro nada do texto, acho só masoquista é que gosta de sofrer calado e sentir dor, sendo que tem tanto tipo de tratamento contra essa "dor".
    É muito fácil julgar, aliás, tá cheio de topetudo por aí falando demais sem postura nenhuma sobre vários assuntos, desrespeitando a dor alheia.
    E agora falando do seu blog, sao lindos seus desenhos, você tem grande dom para a pintura, ou como chame. Adorei!

    Fique bem, e me desculpe aparecer apenas agora conhecer seu lindo bloguito.

    ResponderExcluir
  5. Infelizmente as pessoas ainda tem mto preconceito c antidepressivos e com quem os toma...vale lembrar q mtas pessoas ñ tem força para procurar ajuda e negam q estão doentes,as pessoas ainda acham q depressão é "doença de quem ñ tem o q fazer",q dá e passa...as pessoas precisam tanto admitir q precisam de ajuda qdo estão assim,como saber reconhecer o pedido de ajuda disfarçado de quem está doente,e um bom profissional p fazer tratamento,pq tem mto psicólogo de diploma comprado tb.Eu msm decidi procurar ajuda qdo tb ñ aguentava +,e me deparei c uma médica + perturbada q eu,q me disse coisas horríveis e só me deixou pior.

    Adorei o post,Day!!!
    Bjão!!

    ResponderExcluir
  6. Van Gogh sempre me leva a agonia surda.

    ResponderExcluir

Olá queridos!
Seu comentário é bem vindo!Pode criticar, elogiar, desabafar, indicar referências, sinta-se a vontade!
Comentários na intenção de ofender serão ignorados!