Páginas

quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Todas as feridas que tenho não foram à toa: São furos de agulhas afiadas que costuraram pedaços de minha história.


Depois que a dor passar um pouquinho, conseguirei perceber que essa couxa de retalhos servirá para me aquecer em tempos que o frio vier esmiuçar quebradiçamente minha pele,que está por demais fina e delicada para ser tocada ultimamente.

Os invernos para mim,no geral,são mais acolhedores que os verões...

Os meio são melhores que os fins...

Não tenho fôlego para o início. O fim me secou.

14 comentários:

  1. Aff, mas tem amigos para te apoiar, e eles vão te dar força...

    Fique com Deus, menina Dayane.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Tem sim flor,
    Todos temos...
    Temos que acreditar em nós...

    Se as misericórdias de Deus se renovam a cada manhã... tb é necessário crermos que nossa esperança de um dia melhor também deve ser renovada...

    Trouxe para ti:http://pensamentosdasil.blogspot.com/2009/08/renovacao-da-esperanca.html


    Fica bem.. e ótimo 2010 pra vc!!

    ResponderExcluir
  3. Os invernos são muito mais acolhedores do que os verões, sem dúvida!

    Beijocas

    ResponderExcluir
  4. Que venha uma chuvinha fina de alegria regar teu começo...

    Beijo e mais beijos

    ResponderExcluir
  5. A colcha de retalhos forjada pela vida,a protege do frio.Frio este que admira,que aprecia mais que as tardes ensolaradas de fevereiro,no entanto,a colcha a protege do mesmo.Por vezes proteger-se daquilo que se admira,que se aprecia é um indício do quanto aquilo nos atrai.No caso do texto,é do frio do inverno que,apesar de acolhedor,cobra como preço atingir sua pele...Também adoro muito mais os invernos e outonos,do que os verões.Tudo no inverno parece mais solícito,belo e intenso,e acho que isso,por conta do contraste de nossos corpos quentes com o ar gélido.Até os finais de tarde parecem tingidos com cores mais intimistas.Lindo texto;sei lá o por quê,mas seu texto me deu uma sensação parecida com a de uma música do Villa-Lobos^^.É,interessante essa analogia da dor,como agulhas de um tear,que costuram nosso ser.Muito bonito e verdadeiro.Mas acho que ás vezes fim e meio fundem-se,e não conseguimos distinguir mais início meio ou fim.Na foto que ilustra o post,a moça tem uma coberta;aliás,ela está rescostada sobre ela,no entanto não se cobre,e talvez esteja passando frio;ainda sim prefere a nudez.Mas a nudez é meio ou fim?Está nua para que por fim se cubra,ou irá cobrir-se para tornar a ficar nua?Acho que não é uma história linear,nem a da foto do texto,nem o próprio texto:é uma história de imersão,como o "pensaela".Sem transitivos.
    Um ótimo ano Day,e me desculpe se meu coment pareceu-lha pedante.Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Se não há mais folego,
    Segure a minha mão,
    Há dezenas de outras assim como as minhas querendo te tirar desse lago,
    É só criar um pouco de força, que o resto vc pode deixar com a gente,
    Nós te puxamos de volta a superficie e assim poderá recuperar o seu folego... quem sabe... respirando bem fundo vc possa adquirir coragem e dar mais um mergulho ?

    A água é uma coisa tão gostosinha,
    Nos tornamos leve é super divertido mas se não queremos sair dela podemos nos afogar, temos sempre que voltar a superficie, a realidade e tomar um pouco de ar para que nãi sufoque !

    ResponderExcluir
  7. é tudo questão de tempo...
    nada é para sempre, e a dor também nao há de ser.
    Aproveite a sua fossa, o seu choro, a sua solidão..é boom!
    Mas lembre-se de levantar, de prosseguir!


    beijos

    ResponderExcluir
  8. O barato de sentir a dor de estar vivo é que todo pedaço de retalho dessa colcha, dos mais variados, fazem dela, a colcha, algo lindo de se ver. Sim, quem vê a beleza da peça não sabe o que cada pedacinho significa para você (dor, tristeza, alegria, paixão, esperanças...) mas observa no todo algo multitom, multicor, e isso é que fascinante.

    Que cada passada da agulha te faça menos dor possivel, mas não se engane, ela vai passar um bocado de vezes te costurando e recosturando para fazer de ti um mulher completa, plena de si, que se conhece e se entende.

    Não sei não, mas acho que essa colcha será uma das mais belas.

    ResponderExcluir
  9. O fim e o início estão ligados por um elo mto forte.
    Perceba isso e seja forte para começar quando necessário!

    ResponderExcluir
  10. Fim e início são somente palavras. Conceitos vagos. A serpente que devora a própria cauda os ignora, e tem força invariavelmente. Por que também você não o pode fazer???

    Besos, mi cristiana querida!!!

    ResponderExcluir
  11. com as pedras que encontramos no nosso caminho é que fazemso o nosso castelo...

    http://conspiracao-ideologica.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Também prefiro o inverno, Dayane! Mas, lendo teu post, me lembrei de um livro de Hemingway: "O sol também se levanta".
    Um título que nos diz muito, né?
    Bjooooooo!!!!!!

    ResponderExcluir
  13. Todas as feridas não foram à toa, tenha certeza disso.

    O fim e o início são inseparáveis, acredito, pois estamos sempre nesse ciclo de construção e descontrução...

    Força, prove que as agulhadas não ram em vão mesmo...

    Beijos e uma ótima semana.
    =]

    ResponderExcluir
  14. As feridas são para nos fortalecer, pra lembrarmos que um dia houve dor, e no entanto estamos melhores hoje. Se você encosta no fogo e ele lhe queima, você pode escolher entre se queimar de novo ou curar as feridas.

    Tenha um ótimo dia!

    ResponderExcluir

Sinta-se á vontade