Páginas

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Eu sou uma pessoa idealista,isso é inegável,contudo,não me considero uma pessoa romântica.Não vejo a beleza em todas as pequenas coisas e blá blá blá,não acho que a vida é maravilhosa,não acho que todos são maravilhosos,não vejo poesia em tudo e em todos.Aliás,me irrita muito essa ligação que as pessoas fazem de sensibilidade=beleza.


Poesia=Palavras belas expressadas por uma alma sensível
Arte=A representação do belo
Sensibilidade=A arte de ver coisas belas em tudo

Tudo isso me enoja,sério mesmo!
Sempre fui de uma sensibilidade enorme,mas para o incomodo,para o estranho,para o fora de contexto.Na arte,aprecio aquilo que provoca,que contesta.
Muitas pessoas não tem nem idéia do que é ser uma pessoa sensível.
Não é chorar em filmes água-com-açúcar.
Não é ser meiguinho.
Não é ver coisas fofas o tempo todo.Sabe o que é isso?Isso se chama não sensibilidade,mas ALIENAÇÃO!
Os sensíveis são vistos como loucos,são ignorados,deixados de lado.Nunca se encontram,vivem em angústia,em melancolia,em ebulição.Não tem descanso.
Ser sensível é não ter paz.
É sentir a cada momento uma nova mudança,uma nova busca,uma constante procura.
Ser sensível é ao mesmo tempo,uma benção e uma maldição.

Mesma coisa o conceito que fazem de introversão=timidez.
Uma pessoa introvertida não necessariamente é tímida.
Introversão não é ser quietinho.
Não é ser docinho.
Não é falar baixinho.
Não é ter vergonha de tudinho.
Não é ser bobinho,puro e inocente.
Ser introvertido é apenas se sentir melhor Consigo e com seus pensamentos,é ser mais entregue a análise,a introspecção,a auto-crítica,é canalizar sua energia mais para o lado de dentro do que para o de fora.Introvertidos não são Jecas!
Conversam,brincam,discutem,riem,são pessoas normais socialmente.

Sou sensível,mas não sou fofinha.
Sou introvertida,mas não sou tmidazinha (mesmo estando longe de ser um “poço de extroversão”).
Sou mulher,mas não sou frágil.Isso incomoda.Não a mim,mas aos outros.
Não sou dócil,não sou meiga.
Sou delicada,sou doce,sou simpática,mas não preciso ser protegida,obrigada.
E definitivamente,não me acho uma pessoa romântica.

Mas...
Se levarmos o romantismo para a sua raiz mais visceral da palavra,que é o da intensidade,do extremismo,o de sentir gota a gota cada nova sensação que se manifestadentro de sua alma (ou psique,seja lá como for),sem todas essas firulas (e frescuras!) ao qual lhe atribuiram,aí digo que sim:me declaro uma romântica.
Incurável.
Inalterável.
Intensamente,exageradamente.
Não por escolha,mas por que por essência,é como sou.
Os apáticos devem ser muito mais felizes.

8 comentários:

  1. Menina, concordo com o que você diz sobre sensibilidade, pois o sensivel é aquele que tem percepção diferenciada, só que criamos um esteriotipo para ele...

    E romantimo, é algo complicado, pois ele envolve que você complete alguém, e sinceramente, que é igual a outro neste mundo?

    Então o romantismo também deveria mudar de acordo com a pessoa.

    Fique com Deus, menina Dayane.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Menina, que post fantástico!!

    Eu pensava em tudinho que está escrito aqui, enquanto arrumava a casa, hoje, e cheguei as mesmas conclusões...rs

    Vou guardar esse post pra mim... rs

    Beijocas

    ResponderExcluir
  3. Dayane, sempre bom passar pro aqui e "lê-la".

    só um comentário: Para uma artista intensa e com as "persepções à flor" você foi , digamos, supreendente. Pois este post foi um apanhado de rotulismos que eu raramente vi. O ato de rotular e limitar a alma humana em definições tão "ying/yang" é o anverso da essência do artista, que vive a alma e a respira, que expande, que mergulha no profundismo da alma humana, que é um universo inteiro dentro de si em zilhões de facetas.

    Cada pessoa é uma e é mil... então essas definições me soam estranhas à Arte que liberta dos "Chavões"...
    __________________________

    Onde queres o ato, eu sou o espírito
    E onde queres ternura, eu sou tesão
    Onde queres o livre, decassílabo
    E onde buscas o anjo, sou mulher
    Onde queres prazer, sou o que dói
    E onde queres tortura, mansidão
    Onde queres um lar, revolução
    E onde queres bandido, sou herói


    Ah! Bruta flor do querer
    Ah! Bruta flor, bruta flor
    ______________________
    Lindos dias para ti,
    Ôbèron

    ResponderExcluir
  4. Cada um é especial do jeito que é.. e nós que não somos iguais temos de repsitá-los desse jeito.
    ^^

    ResponderExcluir
  5. Flor...
    Concordo com tudo o que disse...
    Muitas vezes sou chamada de bruta, de grossa... mas quer saber?? Mil vezes estes adjetivos do que ser chamada de amor.. de fofa...

    Eu sou o que sou.. que gostaria que me aceitem deste jeito...

    PS.: Proibo a todos de me chamarem de Silvinha.. pq não sou!..rs.

    ;)

    Adorei o texto...

    BJos

    ResponderExcluir
  6. sensibilidade é doer um bocado e não poder evitar.

    ResponderExcluir
  7. Consegui me enxergar em várias partes, mas neste aqui...

    "Sou mulher,mas não sou frágil.Isso incomoda.Não a mim,mas aos outros."

    ...Esta sou eu! rs

    Beijo e mais beijos

    ResponderExcluir

Sinta-se á vontade