Páginas

sábado, 13 de dezembro de 2008

Quantos pedaços meus estão espalhados por aí...Quantas tardes longínquas ainda me pulsam como se fossem imensamente recentes e quantos sentimentos que julguei acabados ressurgiram,fazendo-me só agora descobrir o porque da ferida que nunca cicatrizava .
Olho pra mim e só vejo marcas. Mesmo não entendendo exatamente de onde vieram tantas manchas roxas e cortes,só sei que agora é assim que sou:uma espécie de boneca de pano,onde ao invés de tecido,encontra-se diversas peles diferentes das inúmeras bonecas que ela já foi um dia.Um tipo humano do já pensei ser uma brincadeira infantil.

12 comentários:

  1. Que honra ser o primeiro a comentar...

    MSe texto é simplesmente belo, sendo que concordo contigo, somos "pedaços" de nós mesmo: feitos daquilo que já fomos e do que podemos ser...

    Tenha uma boa semana, menina.

    Fica com Deus, menina.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Sou um pouco como você. Mas os pedaços diferentes também são aqueles que perdi e tive, não por naturalidade, mas por necessidade, preencher.

    ;)

    ResponderExcluir
  3. Creio que todos nós somos uma colcha de retalhos, Dayane! Uns mais, outros menos...
    Bjooooooooo!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  4. Uma junção de variros pedaços, costurados uns aos outros, apenas varios "Eu" em Um só ....

    Belo texto moça ...
    Abraço.
    ^^

    ResponderExcluir
  5. mas esses pedaços marcam a sua história e te faz lembrar que apesar de "remendada" vc é mais forte hj do que antes..

    bjus fofa

    ResponderExcluir
  6. Eu as vezes me sinto como uma boneca de pano, do qual costuram um sorriso no rosto.

    Bjos e td de bom!

    ResponderExcluir
  7. Se você pensar por outro lado, talvez sejam apenas os retalhos importantes - aqueles que a constituem com o caráter que lhe é peculiar.

    =*

    ResponderExcluir
  8. Em mim sempre ressurgem sentimentos que havia julgado terem acabado ou sumido!
    E as vezes isso dói.

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Entendo vc...As vezes vivemos nossa vida meio que alheios ao que nos acontece que nem nos damos conta das marcas que vamos conseguindo pelo caminho...mas credite, mesmo incômodas, as marcas existem para nos lembrar que a gente viveu e par aprendermos com elas tb.É a vida.Gostei tanto daqui do seu cantinho...Eu volto viu?

    ResponderExcluir
  10. Não me ache um chato, mas queria que você respondesse um pequeno desafio em uma da postagens do dia 19-12-2008.

    E aproveitando bastante as festas de final de ano?

    Fica com Deus, menina.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  11. Parte do que fomos permanece em nós. Embriões de nosos "futuros eus" existem de maneira imberbe. E neste meio termo está nosso presente. Vai de você aceitar este presente como simplesmente "momento atual" ou como "dádiva".

    Cicatrizes são marcas de batalha, heranças de guerra, medalhas de gória. Sua demora em cicatrizar é diametralmente representativa de nossa perseverança em não desistir e siplesmente permitir que elas cresçam e nos corroam qual um câncer.

    Somos retalhos, de fato, mas é justamente o processo de descobrimento das "causas da não-cicatrização" que nos leva a crescer (criando novas cicatrizes).

    Cure estas. Crie outras. Sofra e cresça com isso. Altere os retalhos periodicamente. E seja feliz, por mais paradoxal que isso pareça.

    Küssen!!!

    PS: Lovage é muito bom!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir

Olá queridos!
Seu comentário é bem vindo!Pode criticar, elogiar, desabafar, indicar referências, sinta-se a vontade!
Comentários na intenção de ofender serão ignorados!